II Festival de Poesia da Cidade de São Paulo - Poemas inscritos

Devaneios

TÍTULO DO POEMA: Devaneios
AUTOR DO POEMA: Bruna Andrez Suzzio
INTÉRPRETE: Bruna Andrez Suzzio

 

 

 

 

Assim como o inverno
Torna-se friamente os momentos que passo longe de ti.
Como vento frígido que bate com suavidade em minha face,

Destacando sua palidez, mostrando com evidência, a solidão e a carência

Que carrego junto ao meu peito.

Pelo simples fato de não sentir seu corpo junto ao meu
Corpos que quando se tocam, se juntam ao sabor da entrega
Onde a vontade e o desejo se manifestam com tal intensidade
Que se faz maior que a rejeição, que se diz a razão.

Como um copo com conhaque que seguro em minhas mãos
Levo-o calmamente na direção da minha boca
Queimando ao tocar meus lábios...
Apreciando o sabor ardente

Descendo com furor por minhas entranhas
Aquecendo meu corpo, fazendo com que o meu sangue ferva
Com tal arduosidade, que nem mesmo a nossa entrega seja suficiente
Para apagar essa combustão que parece não ter mais fim.

Tamanho imaculado devaneio de meus pensamentos
Que quando dei-me por conta, não sinto mais a chama que me excede de desejos!
Sim... sinto novamente o vento frígido que bate com suavidade em minha face
Sintomas que transmite o inverno. Mas não pelo o inverno...
Mas quando escuto as palavras do teu adeus, levando-te para longe de mim.

 

comments