II Festival de Poesia da Cidade de São Paulo - Poemas inscritos

Projétil de lei

TÍTULO DO POEMA: Projétil de lei
AUTOR DO POEMA: Luiza Romão
INTÉRPRETE: Luiza Romão

 

 

 

brasil,

tu te tornas eternamente responsável

por aquilo que pões em cativeiro

da febem ao navio negreiro

 

sei que assusta

perder seus privilégios

somos o plano europeu que não deu certo

alerto:

 

reduzir a maioridade

não é questão de segurança

isso é genocídio de criança

extermínio de classe

do moleque roubar o passe

tirar a bola

é oferecer prisão e não escola

tratar infância com escolta

então solta

larga o osso

agora não tem almoço

é fácil comer o pão

e o diabo ser o outro

mas vem do nosso rosto

o suor de todos os dias

brasil,

tu quer ser gigante?

então lembra do golias

 

o poder gestado pelas mãos da minoria

no país da escravidão

ainda é branca a democracia

é a bancada da bala

e seus projéteis de leis:

onde já se viu

tornar-se adulto aos dezesseis?

diga aí vocês:

o país seccionado

a fratura está exposta

nossa bandeira não é a mesma

nem durante a copa

 

alienistas alienados

querem o brasil-condomínio fechado

têm sangue nas mãos

e agora nos olhos

mergulham a bíblia em poça de ódio

 

sabe,

meritocracia é fácil

pra quem já nasceu no pódio

 

por trás do discurso, investimentos:

células transformadas em cédulas

empresa de presos

desprezo

por qualquer matéria humana

cunha, eu sei quem financia sua campanha

quer tornar-se o novo franco da espanha?

 

o jogo é certeiro:

cercar a casagrande

e pôr três porteiros

mas, cuidado

com quem coloca em cativeiro

comments