II Festival de Poesia da Cidade de São Paulo - Poemas inscritos

O mar

TÍTULO DO POEMA: O mar
AUTOR DO POEMA: Viviane Papis
INTÉRPRETE: Viviane Papis

 

 

 

A água está tão calma

Os parcos raios de lua permitem que eu veja o pouco que há para ver

Sinto que o perigo está perto

O fôlego se extingue e leva a esperança consigo

Poucas agitações e percebo que está aqui

Me agarro à pequena parcela de agilidade

Não pretendo desistir

Não sem tentar

Não sem lutar

Mas é tão mais fácil se deixar afundar

Há algo de calmo e cativante em desistir assim

No entanto os rostos não saem da minha cabeça

Por eles preciso lutar

Para eles afundar dói mais

Eles fazem parte de mim e não os posso abandonar

E que chance tenho eu?

Vencer o monstro que me perseguiu o caminho

A trilha de desespero e medo

E que tenho a perder? Tudo

Tudo perde seu sentido

Tudo ganha seu sentido

Não consigo sair deste círculo

E apesar de tão perdida ele me acha

Me busca, me acha e me domina

O horrível mais que horrível acontece

E me perco novamente na escuridão

A aurora aparece aos poucos

Trazendo do sono a vida

Não me sinto tão sozinha agora

Consigo achar forças para me empurrar

E ascender à superfície

Um suspiro de alívio.

comments