II Festival de Poesia da Cidade de São Paulo - Poemas inscritos

Meia bomba

TÍTULO DO POEMA: Meia bomba
AUTOR DO POEMA: Adriano Girelli
INTÉRPRETE: Adriano Girelli

 

 

 

 

Queria tecer com linha fina

um doce manto para as palavras.

Mas vi que o que mais a fascina

é quando suas asas voam livres, sem o peso das travas bordadas.

A se inventar,

se rastejar,

iluminar

e depois voar

fora das páginas.

Fiz uma canção com acordes leves

Talvez assim descobriria os seus mistérios.

Inútil. Toda poesia entrou em greve

Exigindo que o poeta a levasse a sério.

Desiludido

pedi as contas do Ministério Poético.

Finalmente parti às imagens

Espalhei câmeras secretas pelas ruas

Afim de registrar suas secretas passagens.

Bobagem..

Não sou mais poeta, larguei o cancioneiro e o cinema.

Hoje passo as horas combinando os pensamentos sem as palavras.

Desse modo, fica mais fácil encontrar o nada.

Até que um dia, nas horas neutras da madrugada

alguém bate na porta de casa:

É ela, a palavra!

Sem reação, com os pés fora do chão, não me economiza:

- Ou você me come agora, de uma vez por todas e me sirva uma boa dose ou eu espalho por aí que de poeta você é o mais brocha de todos.

Vadia.

comments